A dor na coluna vertebral pode desaparecer entre 4 a 6 semanas, porém os músculos profundos (chamados de músculos estabilizadores) permanecem em disfunção (inibidos). Pesquisas tem mostrados excelentes resultados com os exercícios terapêuticos específicos para ativação desses músculos e cientificamente nenhuma outra forma de tratamento demostrou tamanha efetividade na disfunção lombo-pélvico.
A técnica E.S.V é indicada para pessoas com dor lombar e cervical. O tratamento consiste de um programa de exercícios para a ativação dos músculos profundos através do monitoramento dos movimentos com utilização de uma aparelho de unidade pressórica feito nos E.U.A chamado STABILIZER.
INDICAÇÕES:
Dor lombar e cervical;
Hérnia discal;
Protusão discal;
Artrose na coluna vertebral;
Espondilolistese ( deslizamento de uma vértebra sobre a outra);
Osteoporose;
Pós operatório em geral.
Forma de atendimento: individual.

A dor na coluna vertebral pode desaparecer entre 4 a 6 semanas, porém os músculos profundos (chamados de músculos estabilizadores) permanecem em disfunção (inibidos). Pesquisas tem mostrados excelentes resultados com os exercícios terapêuticos específicos para ativação desses músculos e cientificamente nenhuma outra forma de tratamento demostrou tamanha efetividade na disfunção lombo-pélvico. A técnica E.S.V é indicada para pessoas com dor lombar e cervical. O tratamento consiste de um programa de exercícios para a ativação dos músculos profundos através do monitoramento dos movimentos com utilização de uma aparelho de unidade pressórica feito nos E.U.A chamado STABILIZER.

Stabilizer

INDICAÇÕES:


Dor lombar e cervical;

Hérnia discal;

Protusão discal;

Artrose na coluna vertebral;

Espondilolistese ( deslizamento de uma vértebra sobre a outra);

Osteoporose;

Pós operatório em geral.




Forma de atendimento: individual.


Tempo da sessão: 50 min.


Duração do Tratamento: 2 a 3 meses ( 2 a 3 sessões por semana).

estabilizacao-img2

O que a doula faz?

Antes do parto a ela orienta o casal sobre o que esperar do parto e pós-parto. Explica os procedimentos comuns e ajuda a mulher a se preparar, física e emocionalmente para o parto, das mais variadas formas.
Durante o parto a doula funciona como uma interface entre a equipe de atendimento e o casal. Ela explica os complicados termos médicos e os procedimentos hospitalares e atenua a eventual frieza da equipe de atendimento num dos momentos mais vulneráveis de sua vida.

Ela ajuda a parturiente a encontrar posições mais confortáveis para o trabalho de parto e parto, mostra formas eficientes de respiração e propõe medidas naturais que podem aliviar as dores, como banhos, massagens, relaxamento, etc..

Após o parto ela faz visitas à nova família, oferecendo apoio para o período de pós-parto, especialmente em relação à amamentação e cuidados com o bebê.

A doula não substitui o pai (ou o acompanhante escolhido pela mulher) durante o trabalho de parto, muito pelo contrário. O pai muitas vezes não sabe bem como se comportar naquele momento. Não sabe exatamente o que está acontecendo, preocupa-se com a mulher, acaba esquecendo de si próprio. Não sabe necessariamente que tipo de carinho ou massagem a mulher está precisando nessa ou naquela fase do trabalho de parto.

Eventualmente o pai sente-se embaraçado ao demonstrar suas emoções, com medo que isso atrapalhe sua companheira. A doula vai ajudá-lo a confortar a mulher, vai mostrar os melhores pontos de massagem, vai sugerir formas de prestar apoio à mulher na hora da expulsão, já que muitas posições ficam mais confortáveis se houver um suporte físico.


O que a doula não faz?

A doula não executa qualquer procedimento médico, não faz exames, não cuida da saúde do recém-nascido. Ela não substitui qualquer dos profissionais tradicionalmente envolvidos na assistência ao parto. Também não é sua função discutir procedimentos com a equipe ou questionar decisões.


As pesquisas têm mostrado que a atuação da doula no parto pode:

diminuir em 50% as taxas de cesárea

diminuir em 20% a duração do trabalho de parto

diminuir em 60% os pedidos de anestesia

diminuir em 40% o uso da oxitocina

diminuir em 40% o uso de forceps.

Embora esses números refiram-se a pesquisas no exterior, é muito provável que os números aqui sejam tão favoráveis quanto os acima mostrados.


.

.

oiania